займ онлайнкредиты онлайн
Close

Ah, uma viagem de intercâmbio! Para muitos, aquele momento em que você jura que vai levar a vida a sério e que vai fazer valer cada centavo de investido nesse sonho. Morar fora trás consigo aquela sensação de que é possível se reinventar. Nova casa, novos amigos, nova rotina… Tudo é perfeito para que o futuro intercambista prometa a si mesmo que irá fazer determinadas coisas. A expectativa é que tudo irá sair como o planejado, já a realidade…

1 – Só vou estudar

A primeira promessa é aquela que os pais mais adoram escutar: “Eu só vou estudar!” Os intercambistas que ralaram e juntaram o dinheiro para pagar sua viagem também fazem essa promessa a si mesmos, afinal, é preciso converter tanto esforço agora para juntar a grana em conhecimento para voltar com o currículo bem turbinado.

Sinto em dizer, mas não importa se foram os pais ou você mesmo quem pagou pelo intercambio estudantil em outro país, você irá quebrar essa promessa. Todo mundo chega com essa ideia utópica de que é possível só estudar numa viagem de intercâmbio, mas meu amigo, também tem muita coisa que você pode aprender tirando um pouco a cara dos livros e vivendo com uma pessoa local. Não tenha medo e realmente viva o seu intercâmbio! Saia, viaje, beba e se divirta. Claro que é preciso estudar (lembre-se que tem muita gente que gostaria de estar em seu lugar), mas não deixe de aproveitar.

2- Não vou me “misturar” com brasileiros

Essa é um das promessas mais burras que eu já ouvi de pessoas em um intercâmbio: “Quando eu for, não vou ficar andando com brasileiros”. Primeiro que é impossível cumprir essa promessa porque em primeiro lugar existem brasileiros em tooodo lugar do mundo. Você pode achar que aquela pessoa não tem “cara de brasileiro”(embora eu particularmente não ache que exista isso), conversar horas com ela em bom inglês e no final descobrir que ambos são brazucas. Mais de uma vez durante o período que morei em Dublin comecei conversando com pessoas de traço oriental em inglês e no final descobri que eram de São Paulo.

Segundo que mais cedo ou mais tarde você vai precisar do apoio de brasileiros. Consegui empregos em Dublin por indicações de pessoas que não conhecia, mas que ofereceram as oportunidades em grupos de brasileiros no Facebook; consegui doações de objetos ou mesmo dicas sobre o dia a dia da cidade também assim.

Não importa o quão estruturada sua vida você possa estar, se tem emprego estável ou não, se tem dinheiro ou não, se sente falta do Brasil ou não… Outra coisa que aprendi é que um intercâmbio às vezes pode ser um pouco solitário e nada melhor que amigos brasileiros para dar aquela força. Não se prive disso. Voltamos ao Brasil, mas trouxemos no coração muitos amigos brazucas que hoje se espalham pelo mundo.

3 – Não vou faltar às aulas e viajar

Essa promessa completa a primeira “Só vou estudar”. Vou contar um segredo nada secreto para vocês: nem todas as aulas são úteis. Não é assim na escola, não é assim na faculdade e com certeza não será assim no cursinho de inglês no intercâmbio. Desculpe-me é a verdade.

Isso não quer dizer que as aulas são apenas uma desculpa para ter o visto e morar fora. De jeito algum. É importante comparecer na escola (até para fins de comprovação junto à imigração), mas não deixe de aproveitar o que há de melhor no país onde você está estudando e até dos países vizinhos. Essas viagens vão te ensinar muito também!

Durante os dois anos que passamos em Dublin aproveitamos os bank holidays (feriados) e períodos que sabíamos que iam ser mais tranquilos no curso para fazer pequenas viagens. Mostramos algumas em 10 melhores viagens saindo de Dublin.  Sem falar que aproveitamos também os finais de semana para conhecer mais da Irlanda como Galway, os Cliffs of Moher, Howth, Malahide e Bray.

4 – Não vou falar em Português

Essa promessa não é tão absurda se pensarmos de forma racional. Afinal, você está indo morar em outro país para fazer um processo de imersão na língua e assim aprender a falar melhor e com mais segurança. Então nada melhor do que se forçar a falar na língua estrangeira (seja ela inglês, espanhol ou francês), certo?

Certo! Mas quero ver se você realmente vai conseguir fazer isso. Seja por culpa daquela expressão que quando traduzida perde todo o sentido; por causa daquele palavrão que saiu quando você topou com o pé; porque você não quer que alguém perto entenda o que você está falando (já contei que essa estratégia não dá certo em 4 verdades sobre ser brasileiro no exterior), ou mesmo porque você se sente idiota conversando em inglês com outro conhecido conterrâneo (o que era meu caso)… Não tem jeito! Sempre acabamos soltando uma ou outra palavra em português.

Confesso que falar português em alguns momentos era uma forma de matar as saudades de casa, o problema é quando na rodinha de amigos não há só brasileiros. Mais do que uma promessa de intercâmbio esse caso é de educação com os presentes que não falam português. Mas falar português vez ou outra não irá destruir o seu aprendizado da língua estrangeira.

Na verdade, o sucesso de um intercâmbio (e por sucesso eu entendo cumprir o objetivo pelo qual você embarcou na viagem) não está em promessas radicais. O sucesso está no equilíbrio de tudo. Então estude sim, mas se dê tempo para curtir esse momento da vida também; esteja aberto a fazer novas amizades (venham de onde vierem); vá na festa brasileira, dance e coma coxinha e brigadeiro (ou não, faça o que tiver vontade); estude dentro e fora da escola, viaje, passeie e viva!

Mesmo que você decida não voltar ao Brasil, esse período de descobertas será único. Não o desperdice. Viva cada momento!


Confira também:

4 ações que o Brasil poderia importar de outros países

Viajar ou morar fora do país?

Morar fora do Brasil – Bancos, contas e procuração

Confira aqui as melhores opções de hospedagem:

banner-booking

Sobre o autor

Niteroiense de nascença, Botafogo de coração, Relações Públicas por formação, blogueira e viajante por paixão! Ama destinos históricos e visitar Museus em todo o mundo, mas não dispensa uma boa praia. Para ela, uma viagem não está completa sem apreciar (e bem) a culinária local e as lojas, claro.