займ онлайнкредиты онлайн
Close

A grande estrela de Atenas definitivamente é a Acrópole que, mesmo com milênios de idade e tendo passado por diversas invasões (e apropriações), ainda está lá lembrando como Atenas e a Grécia já foram um poderoso império que inspirou as bases de toda a sociedade Ocidental.

Acrópole de Atenas

Acrópole ou Acrópolis significa algo como “cidade alta”. Embora quando pensamos em Grécia e especialmente em Atenas, pensemos em casinhas brancas e templos com grandes colunas, a grande maioria das casas dos cidadãos, que ficava na parte baixa da cidade, era feita de barro. Os principais templos e teatros foram construídos na parte alta da cidade e todo o seu conjunto é o que hoje chamamos de Acrópole.

acropole visita templos partenon parthenon atenas grecia

Estima-se que a Acrópole tenha começado a ser construída do jeito que a conhecemos hoje no século V a.C. O próprio Partenon, templo máximo dedicado à deusa, foi construído no topo da colina como símbolo de que Atena estava olhando pela cidade. Ao mesmo tempo, todos os cidadãos podiam olhar para Atena também.

Quando finalmente saímos do metrô e já de noite chegamos no bairro de Plaka e íamos em direção ao nosso hotel, foi uma emoção única de repente ver ao fundo no alto da colina, iluminados, a Acrópole e seu Partenon. É como um turista que vai ao Rio de Janeiro pela primeira vez se dá conta de que o Cristo Redentor está logo ali; que o que por anos antes só tinha visto em fotos e livros estava agora tão perto.

acropole partenon parthenon vista de atenas topo colina grecia

DCIM101GOPRO

É possível ver o Partenon de vários pontos de Atenas, assim como lá de cima é possível ver não só outras partes da Acrópole como monumentos fora dela, como o Templo de Zeus Olímpico, por exemplo.

O que ver na Acrópole

Teatro de Dionísio

A primeira construção ainda “reconhecível” que encontramos foi o Teatro de Dionísio. Ele fazia parte de um santuário dedicado à Dionísio, deus do vinho, e foi o único que sobreviveu ao tempo. Conta-se que era o mais importante teatro da Grécia Antiga e onde eram apresentadas ao público as tragédias (como eram chamadas as encenações teatrais) com direito a espaço para orquestra.

É possível andar por todas as suas arquibancadas e no antigo palco.

acropole teatro de dionisio atenas grecia

acropole teatro de dionisio atenas grecia detalhes esculturas

Teatro de Herodes / Odeon de Herodes

O Teatro de Herodes, também chamado de Odeon de Herodes Ático é ainda maior que o Teatro de Dionísio. Foi construído já no período de dominação do Império Romano, o que explica alguma das semelhanças com o Coliseu.

Os barcos da arquibancada foram escavados usando a própria colina onde ele foi construído, diferente da arquibancada construída em pedras do Teatro de Dionísio. Também foi usado mármore no palco central e o principal: ele tinha capacidade para 5 000 espectadores!

Originalmente ele ainda era coberto (daí ser conhecido também como Odeon, que é um tipo de teatro coberto) e mesmo tendo sofrido bastante com o tempo (e invasões, claro) ele hoje ainda é usado em algumas cerimônias. Quando fomos parecia que ia acontecer o lançamento de algum CD de um artista ou algo parecido.

Ele não é aberto ao público e a única forma de vê-lo é de cima.

acropole odeon de herodes teatro atenas grecia

Entrada para o Partenon – Propileus

Para que os cidadãos gregos pudessem visitar o templo de Atena eles tinham que passar por grandiosos portões chamados Propileus. O primeiro deles foi construído antes até do lugar se tornar um santuário dedicado à deusa e passou por modificações e ampliações ao longo dos anos.

O motivo dessas escadas é o terreno totalmente irregular da colina. O resultado é que você sente que realmente está entrando em outro mundo.

acropole propileus portoes entrada partenon templos atenas grecia

acropole entrada partenon propileus atenas grecia

Partenon / Parthenon

Ao passar pelo Propileus finalmente chegamos ao Partenon (ou Parthenon). Esse é o templo máximo dedicado a Atena. No Museu da Acrópole existe uma sessão de vídeo que conta com detalhes a história do Partenon desde sua construção. Mostra como ele era por dentro, suas cores originais e o que foi acontecendo com ele após as dominações e invasões sofridas pela Grécia.

O templo foi construído no lugar do que fora destruído durante a invasão dos Persas. Dessa vez, os gregos resolveram fazer um templo ainda maior, mais refinado e tudo o que era considerado de mais fino e belo na época. Além do culto à Atena, o Partenon era usado como um prédio do governo, onde era a tesouraria e uma espécie de cofre das moedas e riquezas da cidade. Após a dominação do Império Romano, o templo foi abandonado. Entre as coisas bizarras que aconteceram com ele foi a sua transformação em uma igreja católica dedicada à Maria (assim como também aconteceu com o Coliseu) e posteriormente em uma mesquita.

grecia-atenas-europa-acropole

Com tantas guerras e invasões até um tiro de canhão o Partenon levou e o golpe final foi a retirada de estátuas e peças inteiras de seu interior com a desculpa de “resgate de obras de arte”. O governo grego conseguiu reaver muitas das obras e pedaços (literalmente) que foram retirados de toda a Acrópole e criou o Museu da Acrópole, mas ainda existem muitas peças no British Museum, que se nega a devolver seu acervo dizendo que o está protegendo.

acropole partenon parthenon templo atena atenas grecia
As partes mais onde a coluna é mais branca já são “remendos”. São reconstruções para impedir que o resto da estrutura desabe.
acropole partenon parthenon mirante atenas grecia
Bem à frente do Partenon existem um mirante com a bandeira grega. O espaço é perfeito para aquela foto com o templo como cenário.

Templo Erecton

O Erecton é um tempo dedicado a Atena e a Poseidon e ele é citado dentro do mito que fala da guerra entre os dois deuses pelo patronado da cidade de Atenas. Mas o que infelizmente hoje chama mais a atenção são as colunas em forma de mulheres. Nenhuma das colunas existentes ali é original. Cinco das seis colunas foram movidas para o Museu da Acrópole por motivo de conservação e proteção. A sexta foi roubada e hoje também está no British Museum.

acropole colunas em forma de mulheres templo erecton atenas poseidon atenas grecia

acropole templo erecton atena poseidon partenon atenas grecia

Dicas práticas para visitar a Acrópole e o Partenon

Qual é o melhor horário para visitar?

A Grécia é um destino de verão e esqueça esse papo de “sou brasileiro, estou acostumado”. O calor é pesado por lá, ainda mais porque tempo de luz do dia durante essa época é mais longo, com o sol se pondo depois entre as 19h e 20h. Sendo assim, uma dica super importante para visitar a Acrópole é evitar horários em que o sol está mais forte (entre 12h e 15h).

Além do calor (que é ainda maior na Acrópole devido a pouca vegetação e grande área em ruínas), esses são os horários mais cheios. Nós fomos depois das 15h e não pegamos fila alguma para entrar.

O que usar?

Calor = roupas leves. E nos pés opte por um tênis ou um sapato confortável, pois você vai andar por pedras, areia e ruínas.

Onde comprar os ingressos?

Os ingressos para a Acrópole são os mesmos para o Templo de Zeus Olímpico. Para evitar filas na bilheteria na Acrópole, visite primeiro o Templo de Zeus. O ingresso custa € 12, mas estudantes morando na Europa não pagam (vale para intercambistas de curso de inglês, desde que estejam com a carteirinha de estudante).

acropole entrada passeio visita paternon atenas grecia


Vai vistar Grécia? Clique aqui é garanta seu desconto de 15% no desconto no seguro viagem com a Mondial Assintance.

Quer saber mais da nossa viagem para Grécia? Confira também:

Grécia: Tudo o que você precisa saber antes de viajar

Atenas – muito mais que uma cidade histórica

Museu da Acrópole – Imperdível em Atenas

Vai viajar para Grécia? Confira as melhores opções de hotéis!
banner-booking

Sobre o autor

Niteroiense de nascença, Botafogo de coração, Relações Públicas por formação, blogueira e viajante por paixão! Ama destinos históricos e visitar Museus em todo o mundo, mas não dispensa uma boa praia. Para ela, uma viagem não está completa sem apreciar (e bem) a culinária local e as lojas, claro.