Close

O Museu do Louvre de Paris é um dos mais visitados de todo o mundo. Além de sua impressionante coleção que abrange arte de todos os continentes e de diferentes séculos, o Louvre impressiona por ser, por si só, uma obra de arte. O prédio foi concebido como palácio real e depois convertido em Museu com a mudança da família real para Tulherias e depois para Versalhes. Outro símbolo do Louvre é a piramide de cristal, odiada por uns e amada por outros, é impossível hoje pensar no Louvre e não lembrar das gigantescas pirâmides que se erguem à sua frente.

louvre-museu-palacio-piramide-de-cristal-noite-iluminada-paris-franca

Palácio Real do Louvre

Apesar de hoje ser mais conhecido como sendo Museu, na verdade o Louvre é um Palácio no qual, desde o século XVIII, está instalado o Museu. Deu para entender? Se não, vamos explicar como tudo aconteceu.  O Palácio do Louvre foi construído em 1190 pelo Rei Filipe II. O projeto inicial incluía uma grande muralha e o castelo foi concebido para ser uma fortaleza para proteger Paris dos ataques Vikings. Somente no século  XVI, foi realizada uma grande reforma onde o prédio ganhou contornos e influências renascentistas e a a muralha foi demolida. Mais tarde (entre 1564 e 1574), foi construído o Palácio das Tulherias a mando da Rainha Catarina de Médici (também conhecida pela construção do Jardim de Luxemburgo), para onde a família real se mudou. Conta-se que havia um projeto grandioso que uniria os dois palácios (o do Louvre e das Tulherias) em apenas um complexo, mas o projeto foi substituído pelo da construção do Palácio de Versalhes.

louvre-museu-palacio-fachada-entrada-paris-franca-europa

louvre-museu-palacio-fachada-detalhes-arquitetura-paris-franca-europa

Museu do Louvre e a pirâmide de cristal

O Museu foi criado em 1793 como uma das ações da junta revolucionária que tinha como objetivo de tornar a público todas as coleções reais, suas riquezas e conhecimento em forma de arte acumulados em anos de monarquia francesa. De lá para cá, muita coisa aconteceu como o incêndio ao Palácio de Tulherias e todo o período conturbado pelo qual a França passou da Revolução para o Império com Napoleão até chegar ao modelo democrático de hoje. No entanto, o Louvre sempre se manteve como Museu e sua coleção só foi aumentando. Na década 1980, o arquiteto chinês Ieogh Ming Pei foi contratado para realizar a reforma do Grande Louvre. Entre suas soluções, a construção das pirâmides de cristal foram de longe as mais controversas.

louvre-museu-fachada-piramide-cristal-palacio-paris-franca

Assim como muitos odiaram a Torre Eiffel na época de sua construção, muitos também odiaram as pirâmides do Louvre. Hoje é quase impossível imaginar o Louvre sem as pirâmides. Virou um símbolo do Museu em si. Confesso que quando vimos ao longe, ainda de dentro do Jardim das Tulherias, a pirâmide de Cristal, na hora nos veio na cabeça “Estamos no Louvre!”

louvre-museu-palacio-arco-do-trunfo-do carrossel-jardim-tulherias-paris-franca
Louvre visto ao funfo do Arco do Triunfo do Carrossel, Jardim das Tulherias.

É bonito apreciar a mistura do tradicional (com o prédio palaciano) com o novo e moderno (com as pirâmides). O conjunto fica ainda mais bonito a noite, quando as piramides se iluminam. Aliás, acho que Paris é muito mais bonita a noite, quando o Arco do Triunfo e a Torre Eiffel também se iluminam.

louvre-museu-palacio-piramide-cristal-invertida-paris-franca
A maior decepção: a pirâmide invertida. Na verdade, ela fica fora do Louvre, dentro do shopping que se interliga com o Museu.

A visita

Quando você ouvir ou ler que o Louvre é grande acredite. O Museu é enorme! Para visitar todas as coleções é preciso dois dias. Infelizmente tínhamos apenas três dias para conhecer toda Paris e um roteiro bem apertado. Sendo assim, nos programamos para chegar no início da tarde e ver o Museu de fora com a luz do dia e sair a noite, para vê-lo iluminado também, é claro.

A dica que damos é que antes mesmo de entrar no Louvre pesquise o que você quer ver. Eleja ao menos algumas obras as quais você considera imperdível. Assim que entrar no Museu pegue um mapa e vá direto até o seu primeiro “alvo”. Pode parecer um exagero, mas o Louvre está sempre lotado e com o seu tamanho, se você não souber pelo menos que tipo de ala você quer visitar, vai acabar seguindo a multidão e fazendo o “tour da Monalisa”.

louvre-museu-palacio-cheio-exposicao-monalisa-leonardo-davinci-paris-franca-europa
Louvre no primeiro andar, onde estão as obras de Leonardo Da Vinci. No Hall do Napoleão não havia quase ninguém.

Nada contra quem vai lá para ver a obra mais famosa de Leonardo Da Vinci. Nós mesmo fomos vê-la também. No entanto, é incrível como há uma certa procissão rumo à Monalisa no Louvre. E na tão esperada sala, a pintura fica pequena diante de mil e um um iPads e tablets gigantescos que se erguem por uma multidão para fotos tipo “selfie”(com a pintura atrás, claro).

Voltando à parte prática, o Louvre é dividido em quatro andares (-2 Hall do Napoleão, -1 mezanino, térreo, primeiro e segundo andares) e em três alas: Denon, Sully e Richelieu.

louvre-museu-palacio-exposicao-ala-hall-do-napoleao-paris-franca-europa
Hall do Napoleão

Falar sobre as coleções é complicado, pois envolve gosto pessoal. Mas todas são incrivelmente ricas não só em objetos e pelas obras de arte expostas, mas porque na entrada de diversas salas há linhas do tempo e mapas antigos. Assim o visitante consegue se situar nas dinastias, como eram os impérios da época, sua abrangência, entre outro detalhes. Particularmente adoro exposições sobre o Egito Antigo e o tamanho dessa coleção me impressionou muito. A impressão que dá é que devem existir mais objetos e esculturas dessa época nos Louvre e no British Museum (Londres) do que no próprio Egito. Apesar de ser ótimo poder ter contato com todo o acervo, é triste pensar que estátuas gigantescas e pedaços inteiros de templos foram retiradas de seu local original.

louvre-museu-palacio-exposicao-colecao-ala-egito-antigo-mumia-paris-franca

louvre-museu-palacio-ala-colecao-egito-antigo-exposicao-paris-franca

Andamos pelo Louvre por cerca de 4 horas e com certeza não conhecemos nem metade de suas coleções. Para facilitar e ajudar o visitante a se guiar dentro do Museu, há audio-guias disponíveis em inglês, espanhol por exemplo (não há a opção em português), que acompanha uma espécie de game (na verdade é um Nintendo 3DS XL), onde o visitante pode localizar as obras, obter mapas, entre outras funções.  Para quem não quiser pagar pelo audio guia, há aplicativos para iPhone e Android que podem ser baixados direto do site do Louvre. Os tradicionais mapas são de graça e podem ser encontrados também em português.

Preço dos ingressos

O ingresso que dá acesso às coleções permanentes custa 12€. Somente a exposição no Hall do Napoleão é paga a parte e o ingresso custa 13€. Comprando o chamado bilhete combinado, que inclui o acesso às duas exposições, o valor vai para 16€.

Como tínhamos muitos museus em nosso roteiro, optamos por comprar o Paris Museum Pass, que incluiu a entrada no Louvre, no Palácio dos Inválidos e até no Arco do Triunfo, por exemplo.

louvre-museu-palacio-interior-exposicao-paris-franca
Uma das salas que compõem a exposição permanente do Louvre.

Estudantes residentes na Europa, menores de 26 anos, não pagam entrada. Basta levar um comprovante de visto ou de residência. E em época de baixa temporada na Europa (de outubro a março), no primeiro domingo do mês a entrada para as coleções permanentes é gratuita a todos.

louvre-museu-palacio-interior-exposicao-esculturas-paris-franca

Horário de funcionamento

Segundas, quintas, sábados e domingos: das 9h às 18h
Quartas e sextas: das 9h às 21h45
O Louvre não abre às terças.  E não é permitida mais a entrada após o limite de 30mins antes do fechamento do Museu.

louvre-museu-palacio-noite-iluminada-piramide-de-cristal-paris-franca


Confira também:

Inválidos – visitando o túmulo de Napoleão

Arco do Triunfo e Champs Elysées

Paris vista pela Torre Eiffel

Pensando em ir para Paris? Confira uma lista de hotéis pelo centro!
banner-booking

Sobre o autor

Niteroiense de nascença, Botafogo de coração, Relações Públicas por formação, blogueira e viajante por paixão! Ama destinos históricos e visitar Museus em todo o mundo, mas não dispensa uma boa praia. Para ela, uma viagem não está completa sem apreciar (e bem) a culinária local e as lojas, claro.

  • Artur Ramalho de Oliveira

    Olá, parabéns pelo blog, estou adorando e está ajudando muito, semana que vem estou indo para a Europa,começando por Londres e logo depois vou para Paris, queria tirar uma dúvida, irei comprar o Paris Museum Pass, o Hall de Napoleão está incluso nele? Fica uma dica sobre o tema, menores de 18 anos não pagam ingresso independente de serem cidadãos europeus. Parabéns novamente pelo blog.

    • Jessica Veneravel

      Oi Artur! Obrigada e desculpa não ter respondido antes, mas estávamos fora. Sim, o Hall do Napoleão está incluso! Eles carimbam o seu Pass na entrada. Obrigada pela dica também! 😀

      • Artur Ramalho de Oliveira

        Olá Jéssica, acredita que estou em Paris e irei amanhã no Louvre, ou seja, deu tempo de ver seu recado. Obrigado.